Prefeitura adia licitação para gestão do Aeroporto da Serrinha em Juiz de Fora

Pregão presencial seria realizado nesta quinta (17) e foi adiado por tempo indeterminado. G1 aguarda retorno da Prefeitura.

07 de Agosto de 2017
Prefeitura adia licitação para gestão do Aeroporto da Serrinha em Juiz de Fora
A Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Trabalho e Turismo (Sedettur) adiou por tempo indeterminado o pregão presencial para contratar empresa especializada para gestão do Aeroporto Francisco Álvares de Assis, o Aeroporto da Serrinha, em Juiz de Fora. O aviso foi publicado pela Comissão Permanente de Seleção da Prefeitura. A licitação estava prevista para ser realizada nesta quinta-feira (17).

Em nota, a Sedettur informou que optou por suspender, temporariamente, o pregão presencial número 315/2017, de prestação de serviço de administração, manutenção e operação do aeroporto, a fim de responder questionamentos técnicos, de empresas interessadas, acerca do edital. A pasta explicou que terá a definição de uma nova data nas próximas semanas.

De acordo com o edital, seria considerada vencedora a empresa que apresentasse o menor preço até o teto estipulado no edital que é de R$ 1.279.800, a serem pagos em 12 parcelas mensais no valor de R$ 106.650. As receitas referentes às taxas e tarifas aeroportuárias e de navegação serão repassadas diretamente à empresa contratada e abatidas do valor mensal a ser pago pelo Contrato de Prestação de Serviços, até o valor máximo do contrato.

Mudança de perfil

O aviso da licitação foi publicado no dia 5 de agosto. Neste dia, o Secretário de Transportes e Trânsito (Settra), Rodrigo Tortoriello, explicou ao G1 que o procedimento será um momento de transição na operação da unidade. "Definimos este prazo como um período de transição para que a gente desenvolva um modelo de gestão mais focado na aviação executiva. A longo prazo, o objetivo é focar no atendimento a voos executivos e a empresas de prestação de serviço aeronáutico", explicou.

O Aeroporto da Serrinha foi administrado via concessão de 2006 até 7 de agosto de 2017 pela Sociedade Nacional de Apoio Rodoviário e Turístico Ltda (Sinart). Desde então, foi assumido pela Prefeitura. De acordo com Tortoriello, o local continuará em funcionamento com pessoal próprio da administração municipal até a conclusão do processo licitatório.

Ainda conforme a Prefeitura, a longo prazo o objetivo é transformar o aeroporto em um ponto de interesse para as empresas que tenham como atividade principal ou secundária atender a aviação executiva, além de manter o atendimento de táxi aéreo, em andamento com o programa Voe MG, do governo estadual.

"Queremos que o aeroporto receba desde os voos, inclusive de helicópteros, a hangaragem das aeronaves, até as empresas que façam manutenção de aviões e turbinas que geram receita para o município. Temos a vantagem geográfica, da proximidade com o Rio de Janeiro, e o fato que no estado apenas um aeroporto funciona neste modelo, o Carlos Prates, em Belo Horizonte", comentou Tortoriello.

A expectativa é de que o edital a ser lançado em 2018 já contemple a mudança de prioridades para o Aeroporto da Serrinha, que surgiu após o Executivo detectar que o novo formato atenderia ao mercado e aos interesses da cidade.

"A gente vem trabalhando com modelos de concessão onde a aviação regular é o principal negócio. Em conversas com outros setores envolvidos na área percebemos que precisamos mudar. Desta forma, o Aeroporto da Serrinha vai deixar de ser um equipamento exclusivo de transporte, considerado um terminal de passageiros, e passa a ser um elemento de desenvolvimento econômico da cidade", concluiu.
Fonte: G1